Convite

02/01/2013

Como evolui a Esclerose Múltipla

Posted By: Vania Regina - 01:46

Share

& Comment



A Esclerose Múltipla é uma patologia que cujo primeiro relato clínico ocorreu no início do século XIX, mas que até os dias atuais permanece envolta em enigmas e pontos cegos ainda não desvendados pela ciência.  Por ser uma doença volátil e versátil, se apresentando de diversas maneiras sem previsão é difícil estabelecer um prognóstico da doença, ficando a medicina restrita a fornecer estudos baseados em observações da população de portadores. 

Saiba também sobre Prognóstico da E.M.

E justamente considerando essas teses é que relataremos a seguir a rotina mais observada de progressão da EM. Lembrando que estamos falando de uma doença crônica, auto-imune, onde o sistema nervoso central, sofre o esclerosamento (endurecimento) da bainha de mielina que reveste os axônios, quais são responsáveis pela eficiente comunicação no cérebro. Tal processo destrutivo é realizado pelo próprio sistema imunológico do paciente, não havendo até o momento cura para esse processo degenerativo, existindo apenas medicamentos para retardo de sua progressão.






As máscaras da E.M

Entre as doenças que afetam o SNC, a EM é a que mais comumente afeta adultos jovens na faixa de 20 a 40 anos, justamente a fase em que o âmbito profissional e pessoal do indivíduo é mais exigido. Na maioria das vezes a pessoa ao descobrir a doença já conta com focos de inflamação ativa ou cicatrizada. Isso porque, por ser de rara incidência, uma média de 8:100.000, a doença é confundida com muitas outras patogenias, como estresse, depressão, labirintite, sinusite etc. fazendo com que diante de sintomas isolados, o médico descarte sua possibilidade. Essa postura faz com que a maioria dos indivíduos descubra o problema quando de um surto mais acentuado, ou até mesmo irreversível.


Cumprindo o objetivo deste blog de unir teoria e prática, aproveito para compartilhar que sofri durante 07 anos com sintomas que sempre associei ao cansaço e estresse ou falta de exercícios físicos, e junto comigo o médico comungava a mesma opinião. O meu diagnóstico se deu quando de um surto que afetou os meus 04 sentidos, a partir daí entendi o motivo do mal estar que suportei por anos. Por isso atualmente eu sempre recomendo aos meus interlocutores que na dúvida sempre peça ao seu médico um encaminhamento para uma ressonância magnética, qual mais acertadamente evidenciará qualquer anomalia no SNC, adiantando o devido tratamento.

>Conheça os Direitos dos Pacientes com E.M.

Existem aquelas pessoas que descobrem a EM incidentalmente, ao realizar uma RNI (ressonância magnética) por outras razões, por isso começam a tomar cedo medicações, sem nunca terem sofrido surtos graves. Contudo, a maioria dos portadores tem uma pregressa trajetória de sintomas e sensações incômodas e desgastantes, para as quais não encontram respostas, apenas medicações paliativas, quais resolvem o problema temporariamente. E justamente pelos sintomas desaparecerem depois de alguns dias, tais pessoas tendem a creditar as manifestações a problemas psicológicos ou desgaste físico-emocional. Sem saberem estão ignorando os surtos gerados pelo processo inflamatório, ou destruição da mielina. No meu caso um dos primeiros sintomas foi uma hipersensibilidade na pele, uma sensação de dor até mesmo ao encostar na roupa. Juntamente a isso a dor de fincada no fundo dos olhos, e dormência nos pés.

Realmente de difícil identificação, acredita-se que existe uma parcela de pessoas no Brasil que são portadores de EM e desconhecem o problema, vivendo a base de remédios paliativos que nunca eliminarão o mal e ao mesmo tempo, deixando avançar o processo inflamatório, qual pode culminar na incapacitação total da pessoa, ou em casos mais graves a morte.Infelizmente também há aquelas pessoas que, por medo de descobrir algum diagnóstico desfavorável, se recusa a realizar exames para sua checagem. Tal atitude é prejudicial uma vez só beneficia o progresso de eventual doença e seguinte invalidez pelo seu não tratamento.

Mesmo depois de identificada a Esclerose Múltipla, o paciente vive as incertezas que a mesma traz consigo, já que não existe nenhuma resposta concreta ou definitiva para suas manifestações ou evolução. Ficando o portador à mercê da ansiedade, de quando, como e qual intensidade será o próximo surto. Sendo neste ponto interessante o acompanhamento psicoterapêutico para suportar a pressão. Entretanto a ciência mesmo não tendo respostas claras, muito já se avançou em registrar a dinâmica média da EM. Dizemos média pois como já dito a patologia é uma incógnita ou enigma, já que sua manifestação parece variar de forma personalizada de tempo, forma e intensidade.

 
Incerta evolução
O que a medicina já consegue afirmar é que a Esclerose Múltipla pode inicialmente se apresentar entre longos intervalos de tempo, meses e até anos, quais costumam diminuir, podendo ocorrer a incapacitação contínua e/ou permanente. Sua evolução é registrada por surtos relacionados a sintomas motores, sensoriais e sensitivos, seguidos de períodos com quase nenhuma manifestação. Tais surtos podem produzir sequelas que somada às existentes ou que virão a surgir torna o paciente gradativamente debilitado.

Fatores de Depressão na Esclerose Múltipla

A doença pode produzir rapidamente pacientes incapacitados rapidamente, como aqueles que mantem a qualidade de vida durante o curso da doença. Não existe uma regra para determinar o que irá acontecer com cada paciente, mas já foi observado que quando o problema se manifesta na meia-idade seu progresso é rápido, sem expectativa de melhora, podendo ser letal em somente 01 ano.

Estudos afirmam que a maioria dos portadores de EM chegam a perder a capacidade de locomoção independente antes do falecimento, chegando a 90% os que conseguem caminhar depois de 10 anos do aparecimento da patologia, e 75% os que o fazem depois de 15 anos. Tais pacientes tem uma redução na expectativa de vida de 05 a 10 anos em comparação ao restante da população, não obstante, uma média de 40% alcance a sétima década de vida. Mesmo registrando regressões durante seu curso ao longo dos anos, no geral, sua progressão é contínua, produzindo uma expectativa de vida de cerca de trinta anos a contar do seu surgimento.

A evolução da EM é classificada em três tipos, quais sejam:

Ø Remitente Recorrente ou Surto Remissão– Evolui em surtos súbitos, com sua seguida recuperação parcial ou total. Essa é a forma mais comum de manifestação da EM, qual pode ou não deixar sequelas.

Ø Primária Progressiva – Sua evolução se dá sem apresentar surtos, mas sim com o acúmulo de sintomas contínuos ao longo do tempo.

Ø Secundária Progressiva – Trata-se da evolução do tipo Surto Remissão, através da progressão lenta e ganho de sintomas sem surto, durante um período geralmente de 20 anos.

Considerando o explanado, é importante não subestimar sintomas e procurar realizar exames mais acurados, mesmo que seu médico acredite desnecessário, já que a prevenção é sempre bem vinda. Essa atitude é importante já que, no caso de se descobrir a existência de EM, quanto antes se começar o tratamento, mais tempo de qualidade de vida se terá no curso da vida com a patologia, por meio do tratamento de acordo com o tipo evolutivo da doença.

2 comentários:

  1. Boa noite! Meu nome é Simone, tenho 26 anos e desde os 2009 tenho os sintomas da esclerose multipla. Faço acompanhamento no H.C. de Belo Horizonte desde 2010 e desde 2011 tomo Azatioprina 3 x ao dia de 50 mg cada. Tenho surtos bem incomodos 2 x ao ano mas ainda não comecei o tratamento pois ainda os médicos não fecharam o diagnóstico. Vivo nessa incerteza da doença em si e busco o meu sonho de trabalhar por conta própria. Sempre tive esse sonho que aumentou e virou uma necessidade pois apesar de ainda não terem fechado o diagnóstico e graças a Deus não ter nenhuma sequela grave, já sofri com a dor do preconceito. Bom, uma garota com 26 anos, experiencia profissional de Garçonete, com suspeita de esclerose multipla, não é de se admirar que eu tenha passado por isso e sei que não sou a única. Bom galera, é isso. Força na peruca! Levanta a poeira e dá volta por cima!!!

    ResponderExcluir
  2. Estimada Simone, esta resposta é continuação da anterior, uma vez que existe limitação de caracteres para postagem.

    Sobre o fato de usar o benefício do INSS você não deve se martirizar, você está com um problema de saúde que está lhe limitando física e psicologicamente. É certo que o afastamento é devido até sua reabilitação, e nesse intervalo você passa por tratamento para melhorar sua condição física e psicológica, e como contribuinte do INSS, tem o justo direito do afastamento para tratamento.

    A respeito de preconceito não se abale, infelizmente as pessoas temem o que desconhecem e pelas estatísticas cerca de 68% das pessoas não sabem do que trata EM e geralmente a confunde com coisas piores. Eu mesma já passei por inúmeros preconceitos, cada um mais cruel que o outro. O preconceito independe do grau de formação ou classe social de quem o sofre. Desconsidere a falta de informação das pessoas e foque em seus objetivos. Se o seu sonho é ter seu próprio negócio, comece a planejar como alcançará esse objetivo, já que todo negócio parte, primordialmente, por um estudo de mercado, justamente para não haver perda de tempo e principalmente de dinheiro. Então se o negócio que você deseja montar necessita capacitação, utilize o seu tempo afastada para fazer os cursos que necessita para construir um negócio sólido. Aproveite sua juventude e energia, sempre dentro de seus limites, para tornar real seu sonho.

    Meu primeiro surto foi aos 25 anos, no início da faculdade, achei que ficaria cega, mas logo voltei ao normal e continuei meus estudos, sem saber que tinha EM. Somente depois de 07 anos depois, após formada tive um novo surto grave, quando finalmente recebi o diagnóstico. O que quero dizer é que não deixe as dificuldades físicas ou psicólogicas abafarem seus sonhos. Não foque na doença, foque nos seus objetivos e na sua vontade de alcança-los.Você é a mais interessada em sua felicidade, ninguém mais batalhará por ela do que você.

    E principalmente não se esqueça do Psicólogo dos psicólogos, o Senhor Deus, pois é Ele sabe quantos fios de cabelo você tem, a hora que deitamos e nos levantamos, a sua palavra antes mesmo de você falar, o nosso andar e nosso levantar, e está conosco seja no fundo do poço ou no alto do sucesso nos dando a oportunidade de clamar por Ele e chamar por sua orientação e força. Então acima de tudo nunca perca a fé e temor de Deus, pois como diz a Bíblia "Se Deus não edificar a casa, em vão trabalha o que a edifica" (Salmos 127.1).


    Então Simone, não se esqueça de procurar o psicólogo no HC, mas principalmente, nunca e jamais se esqueça do Criador, Ele está disponível para ouvir sua oração 24 horas por dia.

    Espero ter contribuído, e desejo muito que seus sonhos e objetivos se realizem com as bençãos de Deus. Grande abraço.

    Vânia - Escleroceito

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Informe seu Nome, Cidade, Estado.

Popular Posts

Copyright © Escleroceito

Designed by Templatezy